imagem que mostra vírus COVID-19

Com o aumento diário do número de casos de COVID-19 no Brasil, houve necessidade de ampla reestruturação hospitalar. Isso significa gerenciamento e realocação de recursos, de leitos e de profissionais da saúde para que pacientes (infectados ou não) possam receber a melhor assistência possível durante esse período desafiador. Esse cenário impactou diretamente na rotina cirúrgica de diversas especialidades médicas, incluindo a de cirurgiões de coluna.

Por essa razão, é fundamental que estabeleça relação de prioridade para diferentes problemas de coluna. Isso pois, em alguns casos, é possível retardar cirurgia alguns dias ou até mesmo melhora da crise de COVID-19 . Outras situações, entretanto, necessitam de intervenção rápida, de modo a minimizar riscos maiores à integridade física dos pacientes.

Por esse motivo, foi elaborado documento conjunto da Sociedade Brasileira de Coluna, Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia e Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, referente às prioridades terapêuticas em cirurgia de coluna durante o período de COVID-19.

Dessa forma, os problemas de coluna foram divididos de acordo com a urgência:

CIRURGIAS URGENTES 

(cirurgias em 24-48 horas)

  • Radiculopatia cervical ou lombar com déficit neurológico;
  • Síndrome da cauda equina;
  • Hematoma epidural;
  • Sepse secundária a espondilodiscite e abscesso epidural;
  • Traumatismos da coluna com déficit neurológico;
  • Fraturas instáveis da coluna;
  • Tumores da coluna causando déficit neurológico;
  • Complicações agudas na coluna, como fístula liquórica.

 

CIRURGIAS DE URGÊNCIA RETARDADA, URGÊNCIA POTENCIAL 

(cirurgias em 4-7 dias)

  • Radiculopatias hiperálgicas que não respondam ao tratamento clínico e necessitem de internação hospitalar;
  • Mielopatia cervical ou torácica progressivas;
  • Fraturas sem instabilidade, mas com indicação cirúrgica;
  • Fraturas patológicas com instabilidade, mas sem déficit neurológico;
  • Complicações agudas pós-cirúrgicas como infecção ou deiscência de ferida.

 

CIRURGIAS NÃO URGENTES 

(podem aguardar normalização da rotina hospitalar após COVID-19)

  • Transtornos degenerativos crônicos sem déficit neurológico;
  • Deformidades na coluna;
  • Reintervenção por falha de implantes/pseudoartrose sem alteração neurológica ou instabilidade.

 

Essa lista não é definitiva, de modo que casos específicos podem ser discutidos com equipe cirúrgica e anestésica em conjunto com administração hospitalar.

Todos devem estar cientes do risco de infecção por COVID-19 durante o período de internação hospitalar.

Link para leitura do texto na íntegra.

 

FONTE: SBC, SBN e SBOT

2 respostas
    • Dr. Alberto Gotfryd
      Dr. Alberto Gotfryd says:

      Caro Mauro, agradeço pelo comentário. O link está disponível no final do texto.

      Na frase “Link para leitura do texto na íntegra”, basta clicar na palavra link (em azul).

      Abraços

      Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.