Espondilolistese significa escorregamento para frente de um corpo vertebral na coluna. O problema é mais comum na região lombar (parte inferior da coluna). Pacientes com espondilolistese podem ter dor nas costas, desvios posturais ou sintomas de compressão de nervo, como dor na perna, choque ou formigamento.

Diagnóstico

O exame inicial para diagnóstico de espondilolistese é radiografia (RX). Porém, para estudar em detalhes o problema, se fazem necessários exames adicionais, como ressonância magnética e tomografia computadorizada.

O que causa espondilolistese?

Os tipos de espondilolistese variam de acordo com a faixa etária e ocorrem por diferentes motivos. Em crianças, são frequentes defeitos ósseos na região da pars interarticularis (região da vértebra que confere estabilidade mecânica), sendo classificada como “espondilolistese ístmica”. Em idosos, por outro lado, é mais comum espondilolistese degenerativa, onde o escorregamento vertebral ocorre devido a afrouxamento articular. Causas menos frequentes são traumas, como acidentes automobilísticos ou quedas de altura.

Sintomas

Os sintomas de espondilolistese, geralmente, estão relacionados ao grau de escorregamento vertebral. Os sintomas mais comuns são dor lombar, deformidades (desvios posturais) e compressão nervosa (dor no trajeto do nervo ciático, choque, formigamento e perda de força). Existem classificações para a quantidade e o tipo de escorregamento. Em pacientes que apresentam sintomas, essas classificações auxiliam o médico especialista em coluna no planejamento do tratamento mais apropriado.

Causas de espondilolistese

Espondilolistese lombar pode ocorrer pelos seguintes motivos:

  • Tipo I – displásica: ocasionada por defeito congênito vertebral, geralmente, entre L5 e S1, fazendo com que haja instabilidade mecânica entre essas vértebras. Esse tipo é mais comum em crianças.
  • Tipo II – ístmica ou lítica: causada por “fratura” em região vertebral específica, chamada de pars interarticularis. Essa fratura geralmente é crônica, sendo também conhecida como espondilólise. Esse tipo é mais comum em crianças.
  • Tipo III – degenerativa: ocasionada por afrouxamento articular entre vértebras lombares, principalmente entre L4 e L5. Esse tipo é mais comum em adultos.
  • Tipo IV – traumática: ocorre por fratura aguda decorrente de trauma local. Pode ocorrer em qualquer idade.
  • Tipo V – patológica: ocorre por fragilidade óssea, decorrente de tumor, infecção ou doença osteometabólica. Pode acontecer em qualquer idade.

Além disso, a quantidade de escorregamento pode ser graduada. Para cada 25% de escorregamento adiciona-se um grau na classificação. Na espondilolistese Grau 1 há até 25% de escorregamento vertebral; Grau 2 entre 25 e 50%; Grau 3 entre 50 e 75%; Grau 4 entre 75 e 100% e no Grau 5 há escorregamento completo, maior que 100%, também conhecido como “ptose vertebral”.

Espondilólise e espondilolistese lombar.

Espondilólise e espondilolistese lombar.

 

Escorregamento de vértebra na coluna

FAQ – Perguntas Frequentes

O que significa espondilolistese?

Espondilolistese significa escorregamento para frente de um corpo vertebral na coluna.

Espondilolistese sempre dói?

Nem sempre. Algumas pessoas com espondilolistese não apresentam sintomas.

Quais sintomas mais comuns?

Os sintomas mais comuns são dor lombar, deformidades (desvios posturais) e compressão nervosa (dor no trajeto do nervo ciático, choque, formigamento e perda de força).

Quais as causas de espondilolistese?

O escorregamento vertebral pode ocorrer por defeitos ósseos (classificados como tipo “ístmico” ou “displásico”), degenerativo, traumático ou patológico (defeito na qualidade do osso, como tumor ou outras doenças que afetam o metabolismo ósseo).

O que é fratura da pars interarticularis ou lise dos ístmos?

Fraturas por estresse ou lise dos istmos são defeitos ósseos na região vertebral denominada pars interarticularis, responsável por estabilizar uma vértebra sobre a outra. Existem várias teorias e fatores para que isso ocorra. Alguns esportes como ginástica olímpica, levantamento de peso, além de predisposição genética são fatores de risco para surgimento de fraturas por estresse na coluna.

O escorregamento vertebral pode piorar ao longo dos anos?

A piora do escorregamento pode acontecer, sobretudo, em crianças na fase de crescimento. Adultos raramente apresentarão progressão do deslizamento vertebral.

Existe tratamento conservador para espondilolistese?

Sim. Na fase aguda pode ser feito imobilização com colete, fisioterapia e medicações analgésicas. Após melhora da dor, exercícios de estabilização são indicados para reforço muscular.

Infiltração funciona em casos de espondilolistese?

Infiltrações têm efeito limitado no tratamento de espondilolistese. Casos selecionados de dor radicular aguda por compressão neural podem se beneficiar desse tipo de procedimento.

Quando está indicada cirurgia de espondilolistese?

Cirurgia para espondilolistese é indicada quando há falha do tratamento conservador, associado a dor crônica, que pode ser lombar ou irradiada para as pernas. Além disso, casos com déficit neurológico (perda de força na perna ou pé também devem ser tratados com correção cirúrgica). Nessas situações, cirurgia é mais eficaz que tratamentos conservadores.

Qual cirurgia de coluna mais comum para espondilolistese?

A cirurgia mais comum para espondilolistese na coluna lombar é artrodese ou fusão vertebral. Esse tipo de cirurgia confere estabilidade à coluna, corrigindo em definitivo a instabilidade mecânica.

Adultos com espondilolistese degenerativa e estenose do canal pode ser tratados sem artrodese?

Sim. Certos casos de estenose de canal lombar acompanhados de pequenos escorregamentos vertebrais podem ser tratados com microdescompressão do canal para alívio dos sintomas neurológicos.

Existe cirurgia minimamente invasiva para espondilolistese?

Sim, existem técnicas minimamente invasiva tanto para descompressão de nervos quanto para artrodese da coluna vertebral que dispensam repouso, sendo possível caminhar e, muitas vezes, receber alta dia seguinte à operação.

Se eu fizer artrodese poderei retornar esportes?

Sim. Você poderá retornar integralmente aos esportes (mesmo em nível competitivo) após artrodese da coluna. Existem diversos atletas profissionais e personalidades públicas que foram submetidos a artrodese na coluna (por diferentes motivos) e que retornaram de forma plena às atividades esportivas.

Veja exemplos abaixo:
Cirurgia de hérnia de disco em atleta profissional de voleibol
Fratura de coluna em atleta de futebol profissional

50 respostas
    • Dr. Alberto Gotfryd
      Dr. Alberto Gotfryd says:

      Carla, depende dos sintomas. Há pessoas com espondilolistese que não apresentam sintomas ou limitações físicas. Nessa situação, não vejo problemas em exercer tal profissão.

      Responder
  1. Juliana B Ferreira
    Juliana B Ferreira says:

    Fiz cirurgia na coluna L5 faz um mês. E na observação da alta o médico indicou espondilolistese. A dores sumiram nos primeiros no início, mas agora voltaram gradativamente e hoje dói quase que da mesma forma. É normal?

    Responder
  2. Márcia Cristina Ribeiro
    Márcia Cristina Ribeiro says:

    Bom dia Dr. Alberto!

    Sinto dores na região lombar que, desce para as pernas com dormência e formigamento. A minha marcha sinto alterada as vezes dou trombadas em pessoas ou móveis. Sinto 1 fraqueza nas pernas após esforço da coluna, não consigo movimenta-la quando isso ocorre. Sempre pensei q as dores eram hérnia e q a fraqueza estava ligada ao coração. Como as dores estavem insuportáveis fui ao ortopedista ontem e no raio x mostrou a espondilolistese indo para o grau III -Fiquei assustada porque essas dores tenho desde 2018 após 1 queda e a fraqueza/moleza nas pernas a 1 ano com aumento gradativo da incapacidade de andar quando as tenho. Aguardo avaliação com o cirurgião.
    Do ponto de vista do Sr., é possível livrar-me da cirurgia? Quais cuidados preciso ter até a passagem com o cirurgião? Estou com muito medo.

    Att.
    Márcia

    Responder
  3. Nicolas K.C.
    Nicolas K.C. says:

    Olá, Dr. Alberto!
    Faz uns dois dias que reconheci uma ponta óssea projetada para fora, uns 15 cm acima do cóccix, perto da lombar. É como se fosse uma ponte um pouco deslocada; quando me curvo, essa ponta fica saltada para fora. É dura, fixa e tenho a impressão de sentir uma pressão nesse ponto às vezes. Sou jovem e tenho medo de ser algum problema, porque já não tenho uma coluna tão boa (cifose e instabilidade, talvez tenha piorado por conta da pandemia). Olhando por cima das informações, o que o senhor acha que poderia ser? Não sei se seria espondilolistese…
    Agradeço desde já!

    Responder
  4. Rosivan Gomes
    Rosivan Gomes says:

    Doutor tenho espondilolistese de grau 1e hérnia de disco e um pequeno desvio na coluna o neurocirurgião falou que só resolve com cirurgia ,será que eu não teria outra opção ,mas eu sinto muita dores ,eu realmente estou com medo de fazer essa cirurgia ,na sua opinião quais são as minhas chances,qual o melhor a se fazer

    Responder
  5. Luciane
    Luciane says:

    Dr tenho espondilolistese grau ll ,tinha cirurgia marcada para novembro, porém tive a covid e não pude operar. Voltando ao consultório o meu médico olhando um rx que fiz lá no consultório disse apareceu uma calcificação no local do escorremento. Será possível? Pois a anos convivo com essa espondilolistese. Obrigada

    Responder
  6. Francisca Adália de Sousa
    Francisca Adália de Sousa says:

    Dr. Alberto! Pelo amor de DEUS eu preciso da sua ajuda para saber o que fazer, pois não aguento tantas dores na lombar e nas costas, onde todo meu corpo dói… Fiz recente uma ressonância e causou esse problema na minha coluna onde quando eu me deito fico travada de não consegui me levantar direito.
    Análise:
    Corpos vertebrais de alturas conservadas.
    Anterolistese grau I de L5 sobre S1 com lise ístmica bilateral.
    Ausência de fraturas ou de lesões ósseas focais com características agressivas.
    Alterações degenerativas Modic tipo I e II (edema e gordura) nos platôs apostos de L5-S1.
    Discopatia degenerativa em L5-S1.
    Nível L5-S1: pseudoabaulamento discal difuso com impressão dural e insinuação biforaminal,
    sem conflitos radiculares.
    Demais discos intervertebrais de altura e hidratação habituais, sem abaulamentos.
    Peço ajuda pelo amor de DEUS 🙌 meu nome é Adália moro no interior da Paraíba. Obrigada Dr.

    Responder
  7. Guilherme Annoni
    Guilherme Annoni says:

    Dr! Fui diagnosticado com Listese na L1, e tenho muitas dores. Além disto, meu quadril (sacro elíaco) é muito travado e uma coisa complica mais a outra. Tenho 30 anos e as dores me atrapalham demais. Alguma sugestão de tratamento, ou rodar novos exames para ver como está hoje em dia?
    Obrigado!

    Responder
  8. Vica Canella
    Vica Canella says:

    Dr. Boa tarde! Dps de sentir muitas dores no quadril e conseguir uma consulta pelo Sus, e dps conseguir fazer a tomografia ficou constatado q tenho Anterolistese grau I do corpo de L5 sobre S1 com espondilolise de L5 bilateral associada.
    Alterações degenerativas com discreto abaulamento do contorno posterior do disco L5-S1 associado a visita anular.
    Discreto padrão de edema na topografia dos ligamentos interespinhosos nós níveis L4-L5 e L5-S1. Por provável mecanismo de sobrecarga.
    Dps não consegui ser atendida por um especialista de coluna. Um amigo médico me receitou remédio pra dor apenas pra aliviar. Tive momentos de muitas dores… aliviava pq eu colocava bolsa quente e gelo. Tava de boa até ontem e a dor voltou, sinto cansaço ao andar, peso nas pernas e me sinto fraca. Infelizmente não tenho convênio e ainda no aguardo da consulta pelo Sus. Pesquisando na internet sobre algo para amenizar minhas dores achei essa página. Se puder me dar um alívio pra aliviar eu agradeceria. Obrigada
    Tenho 44 anos

    Responder
  9. Fabia
    Fabia says:

    Boa noite Alberto há uns 6 anos descobri depois de uma crise de dor a Espondilistese litica atra vez de duas ressonâncias estou COM 50% de escorregamento tbm foram detectados outros problemas na coluna , já tentei de td , fiz fisioterapia várias vezes o que nada resolveu, vivi hoje a base de medicamentos para a dor, pois todo neurocirurgiao que passo diz que meu caso do cirurgia resolve , mas ultimamente tem piorado bastante sinto muitas dores na polpa do bumbum na minha perna esquerda que vai até a sola do pé, e agora meu quadril for bastante principalmente se ando um longo percurso .
    Até gostaria de fazer a cirurgia mas infelizmente não obtive bons resultados com o SUS pq eles dizem que essa cirurgia é cara.
    Mas global sinto muitas dores no pescoço, e muito formigamento nas minhas mãos, gostaria de saber se esse problema da coluna pode influenciar no pescoço tbm ?
    Desde já grata

    Responder
    • Dr. Alberto Gotfryd
      Dr. Alberto Gotfryd says:

      Boa noite Fabia, acredito que os sintoma da nádega e da perna possam ser explicados pelo escorregamento vertebral, ao contrário dos sintomas cervicais. Não há relação direta entre eles.

      Responder
  10. Eva
    Eva says:

    Bom dia doutor, sinto muitas dores na lombar, trabalho o dia inteiro sentada digitando, as vezes no fim do periodo não consigo levantar de dor.
    as vezes me falta o joelho, tenho impressão que vou cair, sinto formigamento em um dos pé.
    acabo de receber meu exame, raio x com laudo e o resultado foi, espondilolistese grau1 de L3 sobre l4. e sinais degenerativos esparsos nas demais porções visualizadas da coluna.
    será que precisarei operar?

    Responder
    • Dr. Alberto Gotfryd
      Dr. Alberto Gotfryd says:

      Boa tarde Eva, espondilolisteses degenerativas são tratadas sem cirurgia na maioria dos casos. Sugiro ouvir especialista em coluna.

      Responder
  11. Joseane
    Joseane says:

    Boa noite, DR. Minha ressonância identificou escorregamento grau 2, 5Ls1. , além de artrose e protusão discal . fiz tratamento convencional ,mas as dores continuam dias sim, dias não . Meu medico sugeriu cirurgia, nesse caso do escorregamento grau 2, 5Ls1 seria necessário?

    Responder
  12. Cimara alencar
    Cimara alencar says:

    Boa noite! Dr sinto dores a 5 anos ,e a 5 anos atrás fiz uma tomografia e deu espondilite faço uso de medicação quase todo dia fisioterapia e já fiz infiltração e nada melhora fiz uma ressonância no dia 08/03/2021 e deu espondilite degenerativa, desidratação e abaulamento L4,L5. Oque faço pra parar a dor , fico sem força nas pernas formigamento. Na minha cidade não tem médico especialista na coluna.qual é o melhor tratamento

    Responder
  13. Caroline Wrege Meireles
    Caroline Wrege Meireles says:

    Olá,minha filha de 12 anos está com espondilolise com espondilolistese grau IV é sinais de discopatia degenerativa / osteoacondrose invertebral associadas no segmento L5 -S1
    Descopatia degenerativas L4-L5
    Artrose interpofisárias L3-L4 e L4-L5
    Além de dor e uma modificação de postura e de marcha.
    Gostaria de saber mais sobre o tratamento, pois a indicação é de cirurgia, mas gostaria de saber qual técnicas cirúrgicas nesta situação e se existem outros tratamentos não invasivos.
    Atenciosamente.

    Responder
    • Dr. Alberto Gotfryd
      Dr. Alberto Gotfryd says:

      Boa noite Caroline. As espondilolisteses de alto grau são, frequentemente, tratadas com cirurgias.
      Existem técnicas menos invasivas para isso, a depender de cada caso.

      Responder
  14. Telma Alexandra Vasconcelos Teixeira
    Telma Alexandra Vasconcelos Teixeira says:

    Olá Dr. Alberto tudo bem!? Gostaria que me ajudasse aqui numa dúvida, tive um trauma no meu local de trabalho, ao pegar numa caixa com 30 kilos do chão, fiz rotação do corpo para pôr a caixa em cima de uma mesa, as minhas costas deram um estalo na zona da lombar, logo me prendeu a perna direita, e senti choques! Ativei o seguro, depois de uma RMN e de um TAC deram me alta que tenho espondolistese desde nascença que é um problema natural, como pode ser se eu nunca me doeram as costas, só desde o trauma que nunca parou de doer!! Não sei que fazer

    Responder
  15. Cristiane
    Cristiane says:

    Doutor, minha filha tem 12 anos e foi diagnosticada com listese 2, médico indicou uma.cirurgia, só que consigo liberação do plano para cirurgia em Setembro, será que podemos esperar esse tempo, ou pode piorar muito? Estou preocupada

    Responder
    • Dr. Alberto Gotfryd
      Dr. Alberto Gotfryd says:

      Boa noite, não havendo compressão nuerológica com fraqueza muscular, entendo razoável aguardar 3 meses até a cirurgia.

      Responder
  16. ROSANA DE CASSIA GARRIDO
    ROSANA DE CASSIA GARRIDO says:

    Dr Alberto, faço acompanhamento oncológico através de tomografias e cintilografia óssea devido a metástases ósseas e há alguns meses venho sentindo muita dor na região lombar com deslizamento da vértebra. O exame adequado para identificar se trata-se de uma espondilolistese seria qual?

    Responder
  17. Karen
    Karen says:

    Dr descobri Espondilolistese grau 2 tenho poucos sintomas porém no exame de Eletroneuromiografia apareceu Radiculopatia leve…tenho dormência no dedão do pé e na perna direita….uma desconforto glúteo e posterior de coxa….em avaliação o médico já indica a cirurgia devido ao comprometimento neurologico…e pela análise do raio x panorâmico onde visualiza minha pelve baixa ….mesmo com. Poucos sintomas seria indicado já a cirurgia na sua opinião?

    Responder
  18. FERNANDA RAQUEL KATSCHOR
    FERNANDA RAQUEL KATSCHOR says:

    Conclusão:
    – Anterolistese grau I L5-S1 com espondilolise dos istmos facetários de L5.
    – Espondilodiscopatia degenerativa L5-S1 onde existe abaulamento discal difuso comprimindo a face
    ventral do saco dural, com estenose foraminal bilateral neste nível onde existe compressão discal
    sobre as raízes emergentes.

    Responder
    • Dr. Alberto Gotfryd
      Dr. Alberto Gotfryd says:

      Maria Otávia, seu caso considerado grave ou de alto grau”. Se for sintomático tem indicação de cirurgia, para descompressão dos nervos, realinhamentone fusão,

      Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.