Escoliose é termo usado para descrever curvaturas laterais da coluna, que podem estar presentes desde o nascimento, se desenvolverem durante a infância ou, mais frequentemente, surgirem na adolescência. A maior parte dos casos são leves, entretanto, essa condição pode piorar ao longo do tempo, em especial, durante o estirão de adolescência.

Causas

A maior parte dos casos de escoliose da criança e adolescentes não possui causa definida. Nessa situação denomina-se escoliose idiopática. Algumas vezes, o desvio da coluna se origina de doenças congênitas ou neuromusculares. Escoliose congênita pode ser detectada logo ao nascimento, pela presença de má formação vertebral que leva ao crescimento desalinhado da coluna. Escolioses neuromusculares são decorrentes de outras afecções, como paralisia cerebral, distrofia muscular e lesões medulares, que podem causar desvios na coluna.

Na escoliose idiopática – que é a forma mais comum em crianças e adolescentes – a coluna nasce normal, porém deforma ao longo dos anos.

Escolioses ocorrem por condição genética, sendo mais comum em meninas do que meninos.

Sintomas de escoliose

A escoliose costuma ser um problema silencioso que não causa dor. Por isso, algumas vezes, desvios são diagnosticados em fases mais avançadas. Dessa forma, é importante que pais ou cuidadores observem as crianças de costas sem roupa, à procura de assimetrias do tronco, que podem ser o primeiro sinal clínico.

Como a coluna deforma?

O desvio lateral da coluna é o mais perceptível pelos pacientes com escoliose e seus familiares. Além disso, ocorre rotação vertebral, que promove elevação de um lado das costas (denominado giba dorsal), além de achatamento da cifose torácica. As curvas mais frequentes são em forma de “S” ou “C”, podem acometer qualquer região da coluna, porém são mais comuns na torácica e lombar.

Entenda no vídeo abaixo, como ocorre o processo de deformidade da coluna:

Diagnóstico

Diagnóstico precoce faz muita diferença na evolução do paciente. Por isso, é importante que pais olhem seus filhos com frequência durante a infância em busca de assimetrias do tronco, que podem ser os primeiros sinais do problema.

Os sinais e sintomas mais perceptíveis são:

  • Desnivelamento dos ombros (um lado se torna mais elevado que o outro);
  • Assimetria da cintura;
  • Presença da giba dorsal (elevação de um lado das costas);
  • Proeminência unilateral da mama (um lado se torna mais proeminente).

Caso haja suspeita, a criança deverá ser avaliada por médico ortopedista especialista em coluna, que realizará exame físico e radiográfico apropriado.

Imagens clínicas de paciente de 12 anos de idade com escoliose idiopática do adolescente. A figura do meio e o desenho mostram o teste de adams, destinado a medir o tamanho da giba torácica.

Como o médico especialista em coluna mede o RX de escoliose?

Você já deve ter percebido que seu médico rabisca e faz medidas no seu RX a cada retorno. A partir desses rabiscos ele informa o grau da sua curva. Na verdade, o médico calcula a gravidade da escoliose ao medir o ângulo de Cobb.

Esse ângulo é verificado a cada retorno e comparado com a medida da consulta anterior. Caso exista acentuação das curvas, considera-se progressão da deformidade. Curvas progressivas merecem tratamento, que pode ser exercícios, colete ou cirurgia.

Radiografia de escoliose com ângulos de Cobb.

Radiografia de escoliose com ângulos de Cobb.

Exemplos de radiografias de escoliose

Os tipos de escoliose

Os tipos de curvas podem variar na escoliose idiopática do adolescente. Na figura são ilustrados três padrões distintos da doença.

Sinal de Risser: para que serve?

Sinal de Risser é medido pela ossificação do osso ilíaco, vista na radiografia de bacia e serve para informar sobre o crescimento ósseo, ou seja, se a criança ainda irá crescer ou não. O Sinal de Risser é dividido entre zero (crianças antes da puberdade) até cinco (adultos). O Sinal de Risser progride (aumenta) durante a adolescência. Não há tempo padrão para que o Sinal de Risser progrida até a maturação óssea final (Risser 5), sendo esse tempo amplamente variável entre os adolescentes.

Ilustração do Sinal de Risser.

Tratamentos

O tratamento é feito de acordo com o tipo e gravidade da curva. Na maioria dos casos, os desvios são leves, não causam dor ou demais prejuízos à saúde e não requerem tratamento específico. Escoliose deve ser monitorada em crianças e adolescentes durante a fase de estirão do crescimento, período em que há maior probabilidade de progressão das curvas. Quanto mais cedo for realizado o diagnóstico de escoliose, melhores serão os resultados do tratamento.

Colete

O uso de coletes está indicado para crianças em adolescentes em fase de crescimento com curvas entre 20 e 45 graus. Atualmente, há recomendação do uso dos coletes por, ao menos, 18 horas por dia. Os coletes modernos são mais leves e decretos, facilitando seu uso. Exemplo de  indicação de colete é curva de 30 graus durante fase de crescimento.

Colete para tratamento de escoliose.

Fisioterapia

Exercícios fisioterápicos para escoliose podem ser associados. O objetivo do tratamento é estabilizar as curvas para que não ocorra piora da deformidade. Em algumas situações, pode ocorrer discreta melhora da curva.

Cirurgia

Em pacientes com escoliose idiopática, recomenda-se cirurgia para curvas acima de 45 a 50 graus. Os principais motivos para cirurgia de correção de escoliose consistem no fato de que deformidades graves trazem prejuízos não apenas estéticos e psicológicos, mas pulmonares e cardíacos. A cirurgia mais comum é a artrodese (fusão) da coluna, feita por meio da colocação de implantes metálicos e enxerto ósseo, que auxiliam na correção e na manutenção da coluna na posição adequada.

A cirurgia solidifica apenas a parte deformada da coluna, mantendo móveis segmentos saudáveis. A cirurgia de correção de escoliose elimina o risco de progressão da doença e permite que o paciente tenha vida normal, inclusive em relação a prática de esportes.

FAQ – Perguntas frequentes

O que é escoliose?

Escoliose é desvio lateral da coluna vista de frente ou de costas. As curvaturas podem ser em formato de “S”ou de “C” e possuem diversas causas.

Como saber se tenho escoliose?

Os principais sinais clínicos são: desnivelamento da altura dos ombros, assimetria da cintura e elevação da escápula (asa) nas costas. Radiografias simples são suficientes para confirmar o diagnóstico.

Quais são as causas da escoliose?

As principais causas de escoliose são: congênitas (presente ao nascimento), idiopática (coluna deforma sem motivo durante infância e adolescência), neuromuscular (devidos a paralisia cerebral e outras doenças) e do adulto (relacionadas ao envelhecimento).

Quem tem escoliose pode trabalhar normal?

Sim. Na maioria dos casos, a escoliose não atrapalha nas atividades de trabalho.

Como tratar escoliose?

O tratamento depende do grau, ou seja, da gravidade da curva. Os principais tratamentos para escoliose são: observação, fisioterapia, colete e cirurgia.

10 respostas
  1. Juliana Souza
    Juliana Souza says:

    Boa tarde Dr.

    Minha filha tem 12 anos e descobrimos agora uma escoliose de 40 graus. Ela menstruou no final do ano passado e como está no estirão, o médico indicou cirurgia. Teria outra opção?

    Responder
    • Dr. Alberto Gotfryd
      Dr. Alberto Gotfryd says:

      Olá Juliana, 40 graus é o valor mínimo para pensar em cirurgia. Nesses casos vale sempre avaliar em detalhes seu caso sobre possibilidade de acompanhar um pouco mais.

      Responder
  2. Tais
    Tais says:

    Olá tenho 24 Tenho escoliose em formato de s desde de pequena fiz fitoterapia dos 3 as 13 anos porem nao vejo mudança de melhora ainda sou bem corcunda e sinto muita dor e as vezes travam minhas pernas oque posso fazer pra melhorar essa situação
    Detalhe (faz onze anos que não vou em um ortopedista)

    Responder
  3. Ludmila
    Ludmila says:

    Olá,
    Boa tarde.
    Desde qnd meu filho tinha 1 aninho percebi uma certa escoliose nele. Hoje com 4 anos permanece bem acentuada .. com grau de cobb 52. Realmente será procedimento cirúrgico ou terá outra maneira q poderá corrigir?

    Responder
    • Dr. Alberto Gotfryd
      Dr. Alberto Gotfryd says:

      Olá Ludmila, escoliose de início precoce, como do seu filho, requer tratamento longo. Em alguns caso utilizamos gesso, seguido de cirurgia.

      Responder
  4. Flaviane
    Flaviane says:

    Minha filha de 4 meses foi diagnosticada com escoliose congênita grau 52 atelectasia do pulmão esquerdo e o coração dela pela falta de espaço está mais p o lado direito. É indicado cirurgia ou colete resolve? Se for somente cirúrgico, qual idade indicada?

    Responder
    • Dr. Alberto Gotfryd
      Dr. Alberto Gotfryd says:

      Olá Flaviane, o caso merece avaliação cuidadosa de especialista em coluna. Caso seja necessário cirurgia, costumamos aguardar até 3 anos de idade. Porém, frequentemente usamos imobilização com gesso até a cirurgia.

      Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.