Mielopatia cervical espondilótica é a compressão da medula espinal na região do pescoço. Frequentemente ocorre devido a hérnia de disco ou estenose (estreitamento) degenerativa do canal vertebral. A compressão da medula espinal pode provocar alteração da função neurológica normal.

Estenose cervical causando compressão medular.

Diagnóstico 

Os sintomas mais comuns na mielopatia espondilótica cervical são:

  • Dor cervical;
  • Perda de equilíbrio e dificuldade para a marcha;
  • Perda de coordenação motora fina (exemplos: dificuldade para escrever ou para abrir botão de camisa);
  • Dor irradiada, choque ou formigamento nos braços e nas pernas;
  • Fraqueza nos braços e nas pernas;
  • Mudança do hábito miccional (retenção ou perda urinária).

A maioria dos pacientes com alterações neurológicas apresentará piora dos sintomas ao longo do tempo. 

Classificação de mielopatia

Os sintomas neurológicos da mielopatia espondilótica variam de acordo com a gravidade da  compressão da medula espinhal. Dessa forma, os sintomas podem ser classificados de acordo com a escala de Nurick:

Escala de Nurick para mielopatia.

Exames de Imagem

Quando há suspeita clínica de mielopatia cervical, a confirmação diagnóstica é feita por meio de ressonância magnética (RM).  Se houver contraindicação para ressonância magnética (ex. pacientes com marca-passo), pode ser realizada tomografia computadorizadaRadiografias simples são importantes para avaliar o alinhamento (curvatura) da coluna cervical.

Ressonância magnética de mielopatia compressiva cervical.

Veja também:

Vídeo: Mielopatia cervical

Tratamentos

O tratamento se baseia na presença de sintomas clínicos neurológicos. Nem todo indivíduo com espondilose cervical e compressão medular (visto na ressonância magnética) apresenta sintomas neurológicos. Paciente assintomáticos podem ser criteriosamente observados.

  • Medicamentos: diversos medicamentos podem ser utilizados para controle da dor. Os mais frequentes são: analgésicos simples, corticosteróides e analgésicos opióides. Anti-convulsivantes como gabapentina e pregabalina e antidepressivos também têm seu papel no controle da dor. Em idosos deve-se evitar anti-inflamatórios devido a riscos de complicações renais e cardíacas.
  • Fisioterapia: indicada, principalmente, no período pós operatório para melhora de equilíbrio e de tônus muscular, de modo a otimizar a independência física dos pacientes. Em pacientes com mielopatia compressiva deve-se evitar manobras cervicais bruscas, devido ao risco de agravarem o problema.
  • Cirurgias: trata-se do tratamento habitual na mielopatia cervical espondilótica. O principal motivo é evitar o avanço da doença e a deterioração neurológica progressiva. Após a cirurgia pode ocorrer melhora parcial de déficits neurológicos prévios, mas recuperação completa é incerta.

Cirurgia é o tratamento habitual na mielopatia cervical degenerativa. O principal motivo é evitar o avanço da doença e a deterioração neurológica progressiva.

Cirurgias para mielopatia cervical podem ser realizadas por via anterior (frente do pescoço) ou posterior (parte de trás do pescoço). A escolha da técnica operatória depende do local da compressão, do número de vértebras envolvidas, do alinhamento da coluna e da preferência do cirurgião.

ACDF (discectomia e artrodese cervical anterior)

É realizada por via de acesso cervical anterior (pescoço), sendo feita remoção do disco intervertebral que faz compressão nos nervos. O espaço criado é preenchido por cage (espaçador) e enxerto ósseo, podendo-se adicionar placa e parafusos. Técnica utilizada, preferencialmente, para até dois níveis de compressão.

Radiografia de artrodese cervical anterior.

Prótese de Disco Cervical

Possui indicações clínicas semelhantes às da ACDF, porém contraindicada na presença de artrose avançada. A prótese de disco cervical possui mobilidade (ao contrário da ACDF que é estática). Diversos estudos clínicos, entretanto, demonstraram equivalência nos resultados cirúrgicos entre ACDF e prótese de disco cervical, sendo ambas consideradas eficazes no tratamento de afecções degenerativas cervicais.

Radiografia de prótese de disco cervical.

Corpectomia

Técnica utilizada quando se faz necessário a remoção de um ou mais corpos vertebrais. Exemplos são compressões medulares extensas associadas a deformidades cifóticas. Na corpectomia cervical, há substituição vertebral por cage (espaçador) metálico específico para essa finalidade, geralmente preenchido com enxerto ósseo. O sistema é estabilizado com placas e parafusos.

Radiografia de corpectomia cervical.

Laminoplastia

Trata-se de procedimento destinado a descompressão do canal vertebral cervical estreito. As técnicas de laminoplastia foram desenvolvidas e aprimoradas por médicos orientais, uma vez que a incidência de estreitamento do canal cervical é mais alta naquela população. A laminoplastia é realizada por via posterior e tem como vantagem não ser necessário artrodese (fusão) da coluna. Realiza-se abertura parcial da lâmina, fato que promove restauração do calibre do canal vertebral e descompressão da medula espinal.

Radiografia de laminoplastia cervical.

Laminectomia e Fusão

Em algumas situações, além da descompressão medular cervical, se faz necessário estabilização mecânica por meio de artrodese. Para essa finalidade podem ser utilizados parafusos ósseos, implantados nas massas laterais (pequenas estruturas ósseas). Os parafusos são conectados por hastes longitudinais metálicas, sendo adicionado enxerto ósseo, responsável por facilitar a criação de ponte óssea entre as vértebras operadas.

Radiografia de laminectomia e artrodese cervical.

8 respostas
  1. Minea Milanez
    Minea Milanez says:

    Excelente artigo! Dr. Alberto, qual a probabilidade de uma adolescente de 15 anos ter o diagnóstico de mielopatia cervical espondilótica? Minha filha há uma semana começou a se queixar diariamente de uma dor irradiada, choque ou formigamento nos braços,
    fraqueza nos braços. Ela diz sentir como se fosse uma câimbra insuportável que começa no pescoço… Levei na emergência e o médico apenas passou uma injeção para dor e analgésico via oral. Qual profissional devo buscar?
    Desde já, grata pela atenção!🙏🙏

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.